07/04/2020

CORONAVÍRUS: PROJETO DE TELMA PREVÊ APOIO PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA

Iniciativa pretende ampliar o Programa Nossa Família, uma das primeiras iniciativas de transferência de renda para cidadãos carentes. Criado em 1995, o programa continua funcionando até hoje.
 
A vereadora Telma de Souza apresentou, na sessão por videoconferência de segunda-feira (6), a proposta de adequação, ampliação e reajuste do programa municipal  "Nossa Família". O objetivo é prestar assistência aos munícipes em situação de vulnerabilidade social, especialmente durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).
 
O programa "Nossa Família" foi criado em Santos no ano de 1995, por meio da Lei Municipal 1.416/95, no governo do prefeito David Capistrano, sucessor e ex-secretário municipal de Saúde da então prefeita Telma de Souza. Atualmente, apenas 600 famílias são beneficiárias, recebendo um auxílio de somente R$ 240 mensais. O valor não recebe reajuste há 17 anos.
 
A propositura define que o objetivo é apoiar famílias com renda per capita de até R$ 253 com filhos ou dependentes menores de 18 anos, estendendo às famílias que também não possuem filhos em situações de emergência em saúde (como a atual) ou declaração de calamidade pública municipal. Nestes casos, a renda per capita das famílias atendidas sobe para até meio salário mínimo (atuais R$ 522, 50) e o pagamento seria feito durante a duração das consequências da situação de emergência.
 
Dos atuais R$ 240 desde 2003, Telma propõe que o valor atual do benefício seja 41% do salário mínimo vigente para o único ou primeiro beneficiário da família, o que hoje seria R$ 428,45, e 10% do salário mínimo vigente para os demais beneficiários, o que, no momento, corresponde a R$ 104,50. O atrelamento ao salário mínimo, como propõe a vereadora, garantiria reajuste anual ao benefício.
 
Presidente das comissões de Saúde e de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Santos, a vereadora reconhece a importância do programa para o sustento das famílias mais vulneráveis de Santos. "É necessário fazer um enfrentamento à altura, já que o Governo Federal estabeleceu uma absurda Medida Provisória que autoriza redução de jornada de trabalho e de salário em 25, 50 e até 70%", indigna-se Telma.
 
A ex-prefeita assegura que o programa, readequado e ampliado, "pode fazer a diferença e botar comida na mesa de milhares de famílias das palafitas, cortiços e morros neste período tenebroso da pandemia do coronavírus. Este programa é considerado uma das primeiras experiências de complementação e transferência de renda do Brasil e uma das iniciativas inspiradoras do Bolsa Família, criado no Governo Lula", relata Telma.
 
A presidente das comissões de Saúde e de Direitos Humanos pontua que o programa pode complementar a Renda Básica Emergencial aprovada pela Câmara Federal e pelo Senado, com valores de R$ 600 e R$ 1.200.

Leia também

TELMA PROPÕE CRIAÇÃO DE POLÍTICA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 

Ver mais

TELMA DENUNCIA FIM DO CARTÃO ALIMENTAÇÃO PARA ALUNOS AO MINISTÉRIO PÚBLICO

Ver mais

TELMA REIVINDICA RETORNO DO CARTÃO "BOLSA ALIMENTAÇÃO" PARA 8 MIL FAMÍLIAS

Ver mais