13/07/2020

AVANÇA PROJETO QUE ESTENDE CONTRAPARTIDAS PRIVADAS PARA ÁREAS VULNERÁVEIS DE SANTOS

Iniciativa da vereadora Telma de Souza prevê qie recursos privados devidos à Prefeitura de Santos possam ser aplicados em projetos para reduzir bolsões de pobreza

O projeto da vereadora Telma de Souza, que altera a legislação sobre contrapartidas sociais dos investimentos da iniciativa privada em Santos, deu mais um passo para estender essa possibilidade de investimentos em moradia popular e em áreas degradadas e vulneráveis da Cidade, como a urbanização de favelas, na Zona Noroeste, cortiços, na região central, e intervenção nas áreas de risco nos morros.


A iniciativa dá amparo legal para priorizar a destinação de recursos para a  construção de moradias populares e requalificação dos bolsões de pobreza. O objetivo é reduzir a desigualdade social, contemplando regiões como o entorno do Mercado Municipal, cortiços, núcleos nos morros, palafitas da Zona Noroeste e demais áreas de risco e bolsões de pobreza de Santos. 

Telma apresentou o Projeto de Lei 263/2019 em agosto do ano passado. Na última semana, o projeto foi analisado e obteve aprovação dos vereadores para a alteração do seu formato legislativo, passando a ser Projeto de Lei Complementar e, assim, retornar às comissões parlamentares para análise. 

Com a futura aprovação pelos vereadores, as chamadas medidas mitigadoras (preventivas) ou compensatórias sejam feitas a partir do Estudo de Impacto da Vizinhança (EIV). Assim  a iniciativa privada terá que investir preferencialmente seus recursos na área de influência do empreendimento ou em áreas degradadas e de vulnerabilidade social. 

Para a ex-prefeita de Santos, a medida busca reequilibrar a prioridade dos investimentos, de modo a contemplar diversas regiões, e não revitalizar apenas áreas de atrativo turístico.

Presidente da Comissão Parlamentar de Direitos Humanos, Telma propôs a alteração em um trecho da legislação vigente para incluir a população mais carente em ações de desenvolvimento social e econômico. 

“Com a inclusão que apresentamos, o empreendedor poderá destinar recursos para a construção de moradias populares, de interesse social, e revitalizar áreas em estado de degradação e vulnerabilidade. Os benefícios não podem ficar concentrados somente em localidades que já possuem níveis elevados de qualidade de vida. Há necessidade de pensarmos a Cidade como um todo, de forma ampla. É uma medida que proporcionará equilíbrio para a população, com olhar atento e solidário para os que mais precisam”, finaliza Telma.

Leia também

TELMA PROPÕE CRIAÇÃO DE POLÍTICA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 

Ver mais

TELMA DENUNCIA FIM DO CARTÃO ALIMENTAÇÃO PARA ALUNOS AO MINISTÉRIO PÚBLICO

Ver mais

TELMA REIVINDICA RETORNO DO CARTÃO "BOLSA ALIMENTAÇÃO" PARA 8 MIL FAMÍLIAS

Ver mais